Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
31/10/19 às 15h59 - Atualizado em 5/11/19 às 14h43

Palácio do Buriti – 50 anos de história

COMPARTILHAR

Texto por Lucíola Barbosa

Fotos por Vinícius de Melo

 

São 50 anos de história, recém-completados em 25 de agosto, de um dos mais importantes conjuntos arquitetônicos de Brasília: o Palácio do Buriti, sede do poder executivo do Distrito Federal. Naquela data, em 1969, também foi inaugurada a Praça do Buriti, na época batizada como Praça da Municipalidade, no projeto original de Lúcio Costa. Recebeu esse nome – Buriti – em homenagem à planta típica do cerrado e símbolo da cidade. Inclusive, na praça em frente ao prédio, há uma palmeira de buriti solitária, árvore típica do cerrado trazida do acesso entre Anápolis e Brasília.

 

 

Outro destaque no gramado, em frente ao prédio, à direita da rampa de acesso ao Salão Branco, é a réplica da escultura da Loba Romana, estátua doada pelo governo italiano, em 21 de abril de 1960, como presente à inauguração da capital, mesma data em que é comemorado o aniversário da capital romana. Segundo a história da mitologia romana, a loba teria alimentado os gêmeos Rômulo (que fundaria Roma), e Remo, filhos do deus da guerra, Marte, que foram abandonados pelo pai e encontrados e alimentados por esse animal.

 

 

Localizada no Eixo Monumental, a sede do Governo do Distrito Federal foi projetada pelo arquiteto Nauru Jorge Esteves. O moderno prédio, que tem colunas, paredes e pisos de mármore branco e bege, recebeu iluminação especial neste mês de outubro, em alusão à campanha de conscientização sobre a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de mama e do colo do útero, durante a programação do Outubro Rosa.

 

 

Já a Praça do Buriti tem uma área de mais de 47 mil metros quadrados, dois espelhos d’água, com capacidade para dois milhões de litros, 12 bancos de concreto, mais de 100 mangueiras e 14 mil metros quadrados de área para jardins. O conjunto do executivo local abriga também a escultura de metal, com formatos verticalizados, intitulada Forma espacial do Plano, de Ênio Liamini, doada ao GDF, pelo então presidente da Argentina, Jorge Rafael Videla. A visitação ao Palácio só é permitida na área externa.