Governo do Distrito Federal
Maria da Penha ONLINE Governo do Distrito Federal
31/10/23 às 15h08 - Atualizado em 31/10/23 às 15h11

 

Nesta segunda-feira (30), os setores oncológicos dos hospitais de Base (HBDF) e da Criança de Brasília José de Alencar (HCB) receberam a visita de Gustavo Olivera, representante da comunidade Fight Cancer Global, dedicada à luta contra o câncer. A ida foi acompanhada da vice-governadora do Distrito Federal, Celina Leão, da secretária de Saúde do DF, Lucilene Florêncio, e de outras autoridades do Distrito Federal.

 

Em visita ao Hospital de Base, autoridades foram até a ala oncológica e conheceram espaços de acolhimento | Foto: Sandro Araújo/ Agência Saúde-DF

 

Olivera conheceu um pouco do modelo de gestão do HCB e do tipo de atendimento oferecido às crianças. Ele também visitou a ala de internação e o Laboratório de Pesquisa Translacional (LPT), para verificar possibilidades de colaboração. Ele explicou que “a ideia da Fight Cancer Global é expandir a ajuda a diferentes países, para ver quais as necessidades que eles têm e criarem infraestrutura de pessoas e recursos para ajudar nessa necessidade local”. Olivera se interessou especialmente pela oferta de radioterapia às crianças (atualmente, o serviço é feito por meio de um convênio com o Hospital Sírio Libanês).

 

A vice-governadora do DF, Celina Leão, avaliou como positivo o interesse de Olivera, relembrando o histórico do HCB. “O Hospital da Criança de Brasília nasceu dessa perspectiva da ajuda, da sociedade civil organizada, da caridade, de cada um dar um pouquinho para ajudar e é isso que essa instituição internacional faz hoje”, disse. Acompanhando o representante da Fight Cancer Global em outras unidades de saúde, ela garantiu que a ida dele ao HCB foi importante “para conhecer a excelência desse hospital e o que pode ser a parceria do poder público com as instituições”.

 

A secretária de Saúde, Lucilene Florêncio, acompanhou Gustavo Olivera e os assuntos tratados por ele com os gestores do HCB. “Foi discutida a questão de fecharmos o ciclo com um acelerador linear de radioterapia”, adiantou a secretária. Segundo ela, a visita “é o olhar externo, do mundo, para dar apoio à saúde do Distrito Federal”. “Este é um hospital reconhecido e é essa saúde que desejamos e que nossa população merece”, completa.

 

A superintendente executiva do Hospital da Criança de Brasília, Valdenize Tiziani, recebeu os visitantes. “Essa é uma oportunidade importante para o Hospital da Criança de Brasília buscar novos recursos, para que, alinhado com o mesmo propósito dessa associação, possamos diminuir a distância entre as crianças que têm câncer e o acesso a uma terapia realmente efetiva. O hospital está completando 12 anos e, apesar de sua curta existência, tem feito um trabalho que se sobressai, uma vez que estamos conseguindo resolver, com alta tecnologia e humanização do cuidado, o acesso das crianças brasileiras a terapias de ponta – mas toda ajuda é muito bem-vinda”, disse.

 

Quanto à radioterapia, Tiziani afirmou que o HCB busca implantar um serviço próprio. “O número de casos tem sido crescente e a demanda dos nossos pacientes tem aumentado substancialmente. Se essa associação puder nos ajudar, provendo os recursos para adquirir a radioterapia, complementaremos nosso parque tecnológico, atendendo, de uma forma mais completa, às nossas crianças.

 

Acelerador linear

 

No HBDF, a equipe técnica explicou aos visitantes sobre a tecnologia do aparelho utilizado na radioterapia e a necessidade de atualização do equipamento. Também fizeram parte do cronograma os espaços do Projeto Acolher, da Rede Feminina de Combate ao Câncer. No local, há salão de beleza, oficina de artesanato e de perucas, bazar, entre outros serviços voltados ao acolhimento de pacientes com câncer, como doação de lenços, cesta básica, remédios e kits de higiene.

 

A secretária de Saúde, Lucilene Florêncio, destaca que a visita é de extrema importância, pois o DF tem sido visto de maneira especial por uma fundação com mais de 50 parceiros. “É o olhar externo do mundo dando apoio à saúde da capital. Tivemos a oportunidade de apresentar todo o trabalho desenvolvido no HBDF e no HCB, premiado e reconhecido globalmente. Essa é a saúde que queremos ofertar.”

 

 

Já no HCB, foi discutida a questão de implantar um equipamento de acelerador linear para ofertar o serviço de radioterapia infantil. Além disso, foram visitadas as alas de internações e os laboratórios de citogenética, biologia molecular e citometria, que contribuem para a rapidez no diagnóstico e início do tratamento em crianças com doenças de alta complexidade.

 

“Conhecemos as demandas e precisamos de mais um acelerador linear para que possamos diminuir a lista e aumentar a rapidez no atendimento. Tenho certeza que isso pode acontecer o mais rápido possível”, afirma Celina Leão.

 

*Com informações da Secretaria da Saúde do Distrito Federal (SES-DF) e do Hospital da Criança de Brasília José Alencar (HCB)